Terça-feira, 12 de Fevereiro de 2008
“Cheguei ao fim sem nunca ter sido nomeado. Essa é a minha principal vitória”

 

Ricardo Costa ou Ricardo Soler, nome pelo qual passará a ser conhecido, é de Alenquer, participou no concurso Operação Triunfo da RTP e conquistou o segundo lugar.

Para poder concluir a sua licenciatura em enfermagem, adiou o sonho de se dedicar à música. Reunidas agora as condições para isso, Ricardo confessa que é tempo de lhe dar “o mesmo espaço e o mesmo tempo” que deu aos estudos.
O seu desempenho durante a Operação Triunfo valeu-lhe um convite para participar no Festival da Canção 2008. No concelho de Alenquer, Ricardo já tem a sua presença garantida na Semana da Juventude, que decorrerá de 31 de Março a 6 de Abril, e na Feira da Ascensão, entre 30 de Abril e 4 de Maio.

Participou no programa Operação Triunfo da RTP. Como surgiu a ideia e que balanço faz dessa participação?
Eu sempre fui um fã da Operação Triunfo. Acompanhei todas as edições portuguesas e também as espanholas e achava que era um programa em que me revia. Tive a oportunidade de participar nos castings da Operação Triunfo 2 mas, como estava no 12.º ano na altura, achei que isso implicaria mudar o curso dos estudos e então desisti da ideia. Estive inscrito mas não fui. E também porque não me sentia preparado. Acabada a Operação Triunfo o balanço que faço é muito positivo. Conheci pessoas que têm o mesmo amor pela música que eu tenho e, acima de tudo, aprendi imenso e obtive muitos conhecimentos. Foi muito bom porque eu não tinha bem a noção das coisas que era capaz de fazer. A Operação Triunfo também me trouxe mais segurança e ensinou-me a acreditar em mim próprio.


Terminou esta edição em segundo lugar. Estava à espera deste resultado?
Não estava à espera porque nunca tinha participado em nada deste género. Nem sequer estava à espera de passar do primeiro casting. Era tanta gente naquela sala… Eu só tinha 20 segundos para cantar. Lembro-me que quem estava na mesa do júri era a Paula Oliveira. Eu cantei duas linhas de uma música de Zeca Afonso, ela mandou-me logo sentar e eu pensei que não tinha passado. Mas fui passando todas as fases e foi uma surpresa entrar na escola e muito bom chegar ao fim sem nunca ter sido nomeado. Acho que essa é a minha principal vitória.
Eu sabia que o terceiro lugar era garantido e mentalizei-me disso na última semana do programa. Por isso ter ficado em segundo ainda foi melhor.

E conquistou este lugar sem nunca ter tido formação musical …
Exacto. Nunca frequentei o Conservatório de Música, enquanto que o Nuno já lá estava há cinco anos e a Vânia tinha o curso completo.

Considera que ter tido amigos e familiares a assistir às galas se reflectiu na sua prestação?
Sem dúvida. Nós tínhamos ensaios à sexta-feira e ao sábado. Nesses ensaios não há público e eu, quando cantava, tinha sempre aquela sensação de que podia ter feito melhor. No entanto, quando tinha assistência, havia ali uma troca de energia e de força muito positiva que me beneficiou nas actuações. Eu pensava: “As pessoas estão aqui para me ver. Tenho aqui a minha família, os meus amigos e, por isso, vou dar o dobro ou o triplo”. Tive sempre aquela sensação de que tinha de cumprir o meu dever, que era transmitir às pessoas aquilo que eu tinha cá dentro.

A Câmara Municipal de Alenquer proporcionou o transporte dos seus apoiantes. Como viu o apoio que lhe foi prestado por esta autarquia?

Com muito agrado. A última gala foi a que eu me senti melhor. Tanta gente para me ver e ainda por cima da minha terra. Foi fantástico. Antes do programa, ver gente de Alenquer com cartazes e a gritar o meu nome foi muito bom. Eu gostava de poder parar e agradecer a cada uma das pessoas que me apoiou, tanto no estúdio como em casa. É muito difícil mas fica aqui o meu agradecimento a toda a gente.

Teve consciência de que os alenquerenses depositaram em si elevadas expectativas. Sentiu-se sempre à altura?
Eu espero ter estado à altura. Cada semana que iniciava na Operação Triunfo tinha uma música nova e queria sempre trabalhá-la ao máximo para que não houvesse falhas na noite das galas. Nós tínhamos que ter vários aspectos em conta: a técnica, a respiração, a afinação, a interpretação e, às vezes, tínhamos a coreografia que dificultava um bocado as coisas. Mas quis sempre proporcionar um bom espectáculo para as pessoas ficarem orgulhosas e se sentirem bem representadas.

Pensa dedicar-se à música a tempo inteiro ou não pretende deixar de lado a enfermagem?
Neste momento quero dar à música o mesmo tempo e o mesmo espaço que dei à enfermagem. Eu fiz a licenciatura toda sem deixar cadeiras para trás. Sempre fui responsável no que diz respeito aos estudos e agora quero fazer o mesmo em relação à música. Quero continuar a apostar na formação porque acho que tenho muito para aprender. Houve coisas que eu descobri na Operação Triunfo que quero continuar a trabalhar, coisas que eu agora dou muita importância. Por exemplo eu achava que saber ler música não me trazia grandes vantagens mas agora penso de maneira diferente. E acho também que aprender a tocar um instrumento musical é uma mais-valia para poder compor as minhas canções. Eu escrevo bastante mas falta-me acompanhar a escrita com a composição de músicas. Quero dar às pessoas aquilo que elas me pedem na rua - um CD - e manter as pessoas informadas da minha caminhada como cantor.


Que géneros musicais gosta mais de cantar? Como se define como cantor?

Quando entrei para a Operação Triunfo achava que o meu género era o pop rock. Saio do programa completamente baralhado porque experimentei tantos estilos de música diferentes, que acabaram por encaixar bem em mim, e agora não sei muito bem o que quero fazer. Sei que quero continuar a experimentar. Quanto mais estilos diferentes experimentar, melhor. Quem sabe se o primeiro disco não é uma mistura de vários.

E quanto a projectos musicais futuros?
O Festival da Canção é um deles. Quando eu era mais novo, gostava muito de ver o Festival da Canção e agora vou ser um dos 10 finalistas. O convite surgiu de um telefonema do produtor Renato Júnior. Este ano dez produtores escolhem um intérprete e o Renato, com quem eu já tinha trabalhado antes, porque ele é o dono dos estúdios onde gravámos os CD da Operação Triunfo, ligou-me e eu disse logo que sim. Já marcámos uma reunião para falar sobre o tipo de música que pretendemos apresentar. Ficou acordado que eu escreveria a letra e que ele iria compor a música. Quero levar uma coisa que seja a minha cara e com a qual eu me identifique. E que tenha qualidade para ser mostrada no nosso país primeiro e depois, se o público decidir, lá fora.
De resto tenho alguns espectáculos marcados, dois aqui em Alenquer: um na Semana da Juventude e outro na Feira da Ascensão. É muito bom poder actuar aqui porque é uma oportunidade de estar com as pessoas da minha terra.

Fonte: Câmara Municipal de Alenquer



publicado por Administração às 12:15 | link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De Sofia Rocha a 12 de Fevereiro de 2008 às 12:57
Oláa :)


Q bom poder ler mais uma entrevista do Ricardo :) e q bom saber q ele não vai desistir do seu sonho...o sonho q agr n é só dele: é nosso também! Todos queremos ve lo triunfar!


Bjocas*



Comentar post

posts recentes

www.ricardosoler.com

Videos: Portugal Acústico...

Ricardo Soler na SIC Inte...

Videoclip: ZOW feat. Rica...

Video: Ricardo Soler e Br...

Audio: Ricardo Soler na R...

Gala de Natal Operação Tr...

Entrevista: Rádio Clube d...

Video: PORTUGAL ACÚSTICO ...

Video: PORTUGAL ACÚSTICO ...

Fotos: PORTUGAL ACÚSTICO

SHOWCASE: FNAC CHIADO

Videos: Ricardo Soler na ...

Gala de Natal ASA

Natal de Esperança (SIC)

Gala "Natal Solidário"

Videos: Portugal Acústico...

Audio: Entrevista na Rádi...

Portugal no Coração (RTP)

PORTUGAL ACÚSTICO ao vivo...

arquivos